Dostoiévski faz 200 anos

Anota aí e não se esqueça: dia 11 de novembro Fiódor Dostoiévski faz 200 anos. Ele está vivo, imortal!

A festa pode ir parar nas primeiras páginas dos jornais de São Petersburgo.

Vamos comemorar o aniversário dele com muita vodka, em “Noites Brancas”. Não sou “O Idiota”. Tomei “Notas do Subsolo”, para não me esquecer.

Convidei “Gente Pobre”, “Humilhados e Ofendidos”, “Os Irmãos Karamázov”, alguns “Demônios”. “O Jogador”, “O Ladrão Honesto” e “O Eterno Marido” também disseram que vêm.

Gostei muito da confirmação dos personagens. Tive que relevar aquela história de “Crime e Castigo”.

Raskólnicov, finalmente vai sair daquela espelunca onde vive a maquinar coisas de gente Ordinária e Extraordinária. Uma pena, ele é um rapaz inteligente, mas refém da obsessão por vingança e por aqueles planos para assassinatos.

Fiquei em dúvida se convido Sônia. Paixão e mágoa são nitroglicerina pura. Não faço a menor ideia de como seria o encontro dos dois: Raskólnicov e ela. Alguém me ajuda? O que faço?

Combinei com ele não convidar Aliona Ivanovna, aquela velhinha agiota, avara, e sua bondosa irmã, Lisavieta. Pode dar bode bárbaro.

E, também, dele não trazer o machado, para evitar tragédia, sangue. Conheço a persona: quando bebe perde o juízo.

Fiquei muito feliz com as confirmações de Natasya Filippovna, o Príncipe Michkin, Sonhador, Nástienka, I. I. Ivanov, Sergey Nechayev e todos os outros personagens que devem suas existências ao grande gênio da literatura russa Fiódor Dostoiévski. A lista é grande.

Já imaginou toda essa gente junta numa festa de arromba? Quero alegria, farra! Não me venha com “Recordações da Casa dos Mortos”.

No mínimo um roteiro para um filme.

Relacionados